Bases do PSOL querem candidatura própria em 2010

A

Heloísa Helena e Marina: bases do PSOL não estão satisfeitas
As movimentações que buscam costurar uma aliança entre o PSOL e o Partido Verde (PV) começam a enfrentar resistência na base dos socialistas.

Desde que a presidente nacional do PSOL, Heloísa Helena, mergulhou de cabeça na candidatura Marina Silva - sem o aval definitivo de seu partido - , diretórios regionais e municipais tem lançado notas contra a coligação e em favor da candidatura própria.

Até agora,
cinco diretórios estaduais e quatro diretórios municipais se pronunciaram contra a coligação. Os estados do Ceará, Bahia, Sergipe, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, e as cidades de Porto Alegre (RS), São Bernardo do Campo (SP), Niterói (RJ) e Joinville (SC) lançaram notas defendendo que os socialistas re-editem a Frente de Esquerda (PSOL-PSTU-PCB) numa coligação sem o PV.

Tendências

O PSOL é um partido que agrega diferentes grupos de pensamento, chamados de
tendências. Até agora, dos nove grupos mais expressivos, quatro já lançaram nota pela candidatura própria. São eles a Corrente Socialista dos Trabalhadores (CST), Coletivo Socialismo e Liberdade (CSOL) , Trabalhadores na Luta Socialista (TLS) e o Bloco de Resistência Socialista (BRS).

Juntas, essas quatro forças representaram aproximadamente 20% do PSOL. Os outros quatro grupos, que, somados, representam 80% do partido, ainda não entraram em um acordo sobre quais os melhores caminhos para 2010.

Derrota em casa para Luciana Genro

O caso do Rio Grande do Sul é emblemático no que se refere ao descolamento entre o que pensam algumas lideranças do partido e o que pensa a militância do PSOL.

Porto Alegre, que lançou nota pela candidatura própria no último dia 23, é o lar da deputada federal Luciana Genro, uma das entusiastas da coligação com os verdes. O Diretório estadual gaúcho também se posicionou pela candidatura própria.

“Esta candidatura deve significar a tradução de um programa que enfrente, como oposição de esquerda consequente, tanto ao governo Lula como à direita conservadora, respondendo à atual situação política do país. Devemos trabalhar para alcançar um arco de alianças junto aos movimentos sociais, aos partidos de esquerda e aos setores que lutam no campo do mundo do trabalho”, afirma o documento porto-alegrense.

Comentários

Marina Silva com PSOL, uma grande vitória para a direita.
Marcus Benedito disse…
Os militantes do PSOL estão indignados com as repetidas declarações de nossa presidente em apoio à candidata do PV, Marina Silva. Não compreendemos as ilusões de dirigentes do PSOL com a ex-Ministra do governo Lula. Marina saiu do PT, só agora em 2009, para cair nos braços da legenda de Sarney Filho!

Nós, amazônidas, sofremos com as medidas de Marina durante sua gestão no Ministério do Meio Ambiente. Em meio ao enfretamento às madeireiras, aos sojeiros, ao agronegócio, às multinacionais do minério, construímos o PSOL com dificuldades. Por isso, não podemos compactuar com o apoio a Marina. Como bem define o companheiro Osmarino Amâncio, do PSOL AC, ela criou um marco regulatório de destruição ambiental. O maior exemplo é a lei de concessões florestais.

Na capital do Estado do Pará, em Belém, como faríamos campanha para Marina no Ver-o-peso? A Natura, cujo presidente foi filiado por Marina no PV, roubou o conhecimento tradicional das erveiras do mercado para fabricar novos cosméticos de sua linha EKOS. Com um cartão de apresentação como esse, seríamos expulsos de lá, pela primeira vez. Seria um cenário diferente da boa recepção que tivemos na campanha de Edmilson em 2006 e de Marinor em 2008.

Como explicaríamos um apoio ao PV, que no Pará foi parte do Tucanato de Almir e Jatene. Apoiou, portanto, o projeto responsável pela chacina de Eldorado dos Carajás.

Não aceitamos entregar nosso capital político à Marina Silva. Não aceitamos a ilusão de que Marina é ambientalista. Ela já foi, não é mais. Assim como Lula um dia foi metalúrgico e hoje não é mais. Assim como Ana Júlia foi bancária e hoje não é mais. Apoiar Marina significa diluir o PSOL, escondê-lo do cenário nacional. Isso é um grave erro.

Discordamos da decisão da última executiva nacional do nosso partido. Não concordamos com negociações com Marina Silva. Estamos preocupados que o Diretório Nacional do Partido referende essa resolução.

Concordamos com os argumentos de Milton Temer e Carlos Nelson Coutinho para definição de nossa política por candidatura própria. Sabemos também que na defesa da candidatura própria estão Plínio e Babá.

Os que assinam a presente nota se declaram parte do movimento que existe no PSOL em todo país. Reivindicamos as resoluções por candidatura própria do PSOL ES, CE, SE, BA e de vários diretórios municipais do PSOL, a exemplo do de São Bernardo do Campo - SP. Esse questionamento público das bases e de reconhecidos dirigentes obriga a executiva nacional a rever sua desastrosa decisão.

Em 2010 é PSOL com candidato próprio. Em 2010 queremos digitar 50 e confirmar! Em 2010 é novo partido contra a velha forma de se fazer política!


Assinam os seguintes militantes:


Railson Jonas – Movimento Terra Trabalho e Liberdade - MTL/PA
Michel Oliveira – Secretário Geral do PSOL/PA
Neide Solimões – Secretária Sindical do PSOL e Coord. Geral do SINTSEP/PA
Cedicio Vasconcelos – Coord. Nacional da CONDSEF
Silvia Letícia – DE do PSOL/PA e Executiva da CONLUTAS/PA
João Santiago – DE do PSOL/PA e Coordenador Geral do SINDTIFES
Marcio Amaral – Presidente do SINTRAM (Sindicato dos Rodoviários de Ananindeua e Marituba)
Marisa Mercês – Conselho de Ética do PSOL/PA
Sheila Melo – Conselho Fiscal do PSOL/PA
Julia Borges – Presidente do Diretório Central dos Estudantes - DCE UNAMA
Julio Miragaia – Presidente do DCE da Estácio/FAP
Zaraia Guará – Coord. Geral do DCE UFPA

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil