EMPRESAS QUEREM R$ 2,65

A
As empresas de ônibus querem passagem a R$ 2,65. O pedido de reajuste de 15,2% foi protocolado no início da tarde de ontem na Prefeitura de Joinville. Gidion e Transtusa já vinham sinalizando pedido de reajuste, mas só agora foi formalizado. Pelos estudos internos da Seinfra e do Ippuj, ainda não concluídos – o que significa que o valor pode ser alterado –, a planilha indica tarifa perto de R$ 2,60. Como o estudo das permissionários foi concluído na manhã de ontem, valores de insumos talvez tenham sido atualizados. Não foi feita, ainda, a solicitação sobre o novo valor da tarifa embarcada (comprada dentro do veículo). A inflação do período sem reajuste, maio de 2009 até agora, não chega a 5%. A planilha que aponta os custos não é baseada na inflação e sim em insumos, como diesel, pneus e salários dos motoristas, por exemplo.

Em 2009

No ano passado, Gidion e Transtusa queriam R$ 2,40 e levaram R$ 2,30. Apesar da existência da planilha, a Prefeitura preferiu adotar a inflação do período sem aumento. Naquele momento, em número exato, a tarifa teria de custar R$ 2,27, mas foi arredondada para cima para tentar compensar a gratuidade para a faixa etária entre 60 e 64 anos, então recentemente aprovada pela Câmara.

À época, pelo menos publicamente, as empresas não chiaram. Mas concedido o aumento, foram à Justiça por meio do sindicato patronal e conseguiram derrubar a gratuidade.

Saída de Trigo

Ainda em 2009, a discussão arrastou-se até maio porque o então secretário Nelson Trigo (Seinfra) queria tempo para analisar as planilhas. Como o prefeito Carlito Merss resolveu conceder o aumento, Trigo, aliado do deputado Kennedy Nunes (PP), pediu demissão.

Desta vez, o governo Carlito não pretende demorar tanto. A decisão sobre o reajuste, seja o valor que for, deve ser tomada ainda na primeira quinzena de abril.

Fonte: Jefferson Saavedra/ A Notícia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil