Há 20 anos, o tempo parou para Cazuza

Sorte daqueles que, como eu, nasceram depois de 1986 e tiveram a oportunidade de ter irmãos mais velhos. Foi graças a eles que tive a oportunidade de conhecer a obra de Cazuza, gay, rebelde, poeta, que há exatos 20 anos nos deixava, vítima do HIV. Eu, que na época estava próximo dos quatro anos, não fazia ideia de quem ele era ou representava.

Agenor de Miranda Araújo Neto, o Cazuza, foi rebelde, enfrentou os padrões estabelecidos, escreveu sobre amor, poesia, política, ideologia, preconceito, hipocrisia e luta de classes. É um ícone de seu tempo e um dos melhores músicos da década de 1980. Inspirou e inspira gerações de artistas, lutadores e movimentos que almejam um outro país, um outro Brasil.
Para relembrá-lo, deixo aqui três de suas canções fundamentais.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil