Historiadores de Joinville lançam carta contra mudança de nome do Arquivo Histórico

Dezesseis historiadores de Joinville lançaram nesta segunda-feira uma carta contra a mudança do nome do Arquivo Histórico de Joinville. Projeto do vereador Alodir Alves de Cristo (DEM) quer mudar o nome do AHJ. O manifesto reivindica mais estrutura para o órgão, ao invés de apenas homenagear um dos vários nomes que contribuiram para a historiografia da cidade.

Leia na íntegra

Carta aberta aos vereadores do município de Joinville.

Nós, profissionais da área de História abaixo assinados, vimos por meio deste documento contestar a relevância do projeto de lei número 109/2010, de autoria do vereador Alodir Alves de Cristo (DEM), conhecido popularmente como Prof. Cristo. O objetivo de tal proposta é alterar o nome do Arquivo Histórico de Joinville para Arquivo Histórico de Joinville Adolfo Schneider.

Queremos deixar claro que temos consciência do papel relevante desempenhado pelo historiador Adolfo Bernardo Schneider no que se refere à construção da historiografia sobre Joinville. Sua obra somada aos trabalhos de outros pesquisadores, como por exemplo, Carlos Ficker e Elly Herkenhoff, são as bases de pesquisas históricas realizadas por gerações de historiadores joinvilenses. Contudo, não concordamos com a proposta de alteração do nome do Arquivo Histórico de Joinville na medida em que esta instituição não é fruto apenas da iniciativa de Schneider, mas também de diversos funcionários, diretores e estagiários que, há décadas, são responsáveis pela manutenção de um dos mais importantes lugares de memória de Joinville. Tendo em vista esta assertiva e levando em conta a justificativa para o projeto acima citado, outros tantos poderiam ser da mesma maneira homenageados.

Também discordamos com a afirmação de que Joinville se esqueceu de Adolfo Bernardo Schneider, pois, segundo o vereador Cristo, não há entidades ou logradouros no município com o nome deste historiador. Ora, como é sabido entre os profissionais de História, o maior reconhecimento que um autor pode ter é ser referenciado entre seus pares. É servir de base para artigos, dissertações, documentários, livros, monografias, teses e afins. Nesse quesito, a obra de Schneider é campeã.

Se o vereador Cristo tem interesse em contribuir para com a memória e a história de Joinville, temos algumas sugestões: por que o senhor não propõe projetos de leis que permitam ao Arquivo Histórico de Joinville ampliar o seu potencial de guarda de documentos? Ou, por que não prepara propostas de leis que recaiam sobre o acervo da antiga fábrica da Antártica, situada na rua 15 de novembro e que, atualmente, encontra-se em risco de desaparecer? Por que não luta para que a Fundação Cultural de Joinville contrate os diversos profissionais aprovados no último concurso público?

Finalizando, concordamos com a ideia de que o “esquecimento é a forma mais cruel de castigar uma personalidade histórica”. Diríamos mais: não apenas de uma “personalidade histórica”, como também de todos os demais grupos que formam o tecido social em que vivemos. Nesse sentido, sugerimos ao vereador Cristo que pense na memória e na história como algo que envolve toda a sociedade e não somente algumas personalidades históricas ou filhos ilustres.

Alberto da Silva Ferreira Filho – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Bruno da Silva – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Camila Diane Silva - Graduada em História pela Universidade da Região de Joinville.

Douglas Bahr Leutprecht – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Douglas Neander Sambati – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Eliton Felipe de Souza – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Felipe Rodrigues da Silva – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Fernanda Mara Borba – Graduada em História pela Universidade da Região de Joinville.

Isaías Freire – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Janaína Gonçalves Hasselmann – Graduada em História pela Universidade da Região de Joinville.

Josenita Lima dos Santos – Graduada em História pela Universidade da Região de Joinville.

Maikon Jean Duarte – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Priscila Débora Trierweiler – Graduada em História pela Universidade da Região de Joinville.

Sara Simas – Graduada em História pela Universidade da Região de Joinville e Mestre em História pela Universidade do Estado de Santa Cataria.

Tatiane Piske Lourenço – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville.

Wilson de Oliveira Neto – Graduado em História pela Universidade da Região de Joinville e Mestre em História pela Universidade da Região de Joinville.


Joinville, 05 de julho de 2010.

Comentários

Bacana a divulgação e já que estava precisando de um nome pra deputado tá aí o do Leonel.

abs
Záia
Leonel Camasão disse…
Obrigado, Záia!
:D

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil