Notícias do Dia: O encontro de gerações


Cinquenta e oito anos separam o candidato mais velho do mais novo nestas eleições catarinenses. O veterano é o aposentado federal osmar Pickler (PSL), de 79 anos, que já disputou cadeira no Senado, em 2006, a prefeitura de Florianópolis em 2004, pelo PTC, e a Câmara de Vereadores pelo antigo MDB e PMDB. Nunca se elegeu, mas não desistiu.

Quando ele nasceu, em 1930, em Criciúma, o Brasil vivia a uma revolução, com Getúlio Vargas chegando ao poder e a Segunda Guerra Mundial estourava. A caloura é a administradora Cendi Tolentino da Luz (PSDB), de 21 anos, que disputa a primeira eleição. É natural de Florianópolis.

Seu nascimento, em 1989, foi marcado pela eleição do presidente Fernando Collor de Mello. Apesar de serem de gerações bem distinas o liberal* e a tucana se encontraram na lista de candidatos a deputado estadual e na vontade de mudar por meio da política, mesmo já calejado, como é o caso de Pickler. "Não gosto de ficar parado, leio bastante pra ficar informado sobre tudo. Luto contra a desiguadade social", escreveu ele em seu perfil no Orkut. Pickler é geógrado, sociólogo, advogado e contador

A pouca idade também não impediu o jornalista Leonel Camasão (PSOL), de 23 anos, de tentar disputar cadeira na Câmara dos Deputados. Sabe que a eleição é remota, mas não quer apenas fazer número. Há anos envolvido com movimentos estudantis, como o "Passe Livre", não raro trocava os programas juvenis, a balada, o encontro com os amigos, pela militância. "O fato de ser jovem ajuda porque não temos vícios e é preciso renovação, embora a juventude esteja frustrada com os escândalos políticos", ressaltou ele, que é natural de São Paulo**.

* Na matéria original, o repórter usa o termo "socialista" erroneamente, já que a sigla PSL significa Partido Social Liberal.
** Na matéria original, o repórter afirma que o candidato nasceu em Joinville, informação incorreta.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil