Plínio defende “reestatização de tudo” e revolução democrática no país.

Candidato do PSOL falou sobre propostas e temas polêmicos em sabatina do R7
O candidato do PSOL à Presidência, Plínio Arruda Sampaio, 80, disse nesta terça-feira (27), durante sabatina do portal R7, ser favorável à reestatização de todas as empresas que foram privatizadas pelo governo federal, entre elas a Vale.

Para o candidato, o sistema de saúde também deveria ser 100% público, a exemplo do modelo adorado pelos ingleses.

- A saúde não pode ser mercadoria. Você não pode lucrar com o câncer do vizinho.

Enfático, Plínio defendeu a quebra de contratos com as empresas privatizadas, mesmo que isso custe o pagamento de indenizações.

- O que está atrás da privatização é enfraquecer o Estado. Empresa defende o capital dela, quem defende você é o Estado. O Estado não tem mais instrumentos para essa defesa.

O candidato do PSOL foi o quarto presidenciável a participar de uma série de entrevistas que o portal R7, em parceria com a Record News, realiza com os candidatos à Presidência.

Veja abaixo os principais pontos da sabatina:

Críticas ao governo

- Esse governo é um desastre não pelo o que ele faz, mas pelo o que não faz. Não dá atenção à educação, à saúde, que estão um horror. Não dá atenção à violência, que está um horror. Lula não peca por ação, mas ele peca por omissão. Ele não faz, ele é bonzinho. [...] É um governo nefasto, porque esconde com muita habilidade a realidade verdadeira do país.

Legalização das drogas

- O que gera o crime é: você tem uma demanda, não é regular [a droga], e cria o crime. [...] Vou permitir a indústria da maconha no Brasil. Agora, o crack não. Cocaína também não.
Confira também
Veja o que fizeram os candidatos
Plínio defende salário mínimo de R$ 2.000
Plínio: Lula esconde "realidade" do país

Plínio defende controle da imprensa

Controle da mídia

- Não há na República nada que esteja fora do controle social. Uma coisa é censura à imprensa, outra coisa é você ter um controle sobre o uso da mídia para demonizar e criminalizar uma pessoa.

Hugo Chávez

- [Hugo Chávez] Pode contar com meu apoio, total, absoluto, porque está fazendo transformação. [...] Não se pode exigir do Chávez uma política nítida.

Jornada de Trabalho

- Se nós temos uma grande parte da força de trabalho sem ocupação, por que o trabalhador tem que trabalhar oito horas por dia?

Drogas

- Vou permitir a indústria da maconha no Brasil, mas do crack não.

Casamento gay

- É um quadro que pode ser regulamentado pela lei civil. É um casamento civil legítimo. [...] Essas pessoas têm uma vida comum, têm gastos, constroem um patrimônio.

Aborto

- Centenas de mulheres morrem. Deve haver uma política pública. [...] Quero legalizar o aborto. A mulher vai em um juiz da família e é ouvida em audiência para saber se ela não está sendo pressionada ou se não tem a consciência.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma homenagem ao Movimento Estudantil

Sandro Silva renuncia mandato de vereador e Carlito poderá ter maioria na Câmara

Norival Silva pega 12 anos por corrupção passiva