A semana após a indicação

No último dia 26, a convenção do PSOL indicou meu nome para concorrer ao cargo de deputado federal. O desafio e a responsabilidade de assumir essa tarefa são enormes. E já senti isso na pele essa semana, quando as minhas tarefas diárias - muitas, digam-se de passagem - aumentaram consideravalmente.

Sábado
Ainda no sábado, encontrei antigos colegas de AN na Travessa Radcliffe, em Florianópolis, completamente por acaso. Por conta das convenções, fizemos uma boa discussão com membros da Juventude Socialista do PDT - muitos deles, descontentes com a possibilidade, agora concretizada, de coligação com Angela Amim (PP).

Terça-feira
Nessa semana, estive na noite de terça-feira (29) em uma audiência pública promovida pela Câmara de Vereadores de São José, para discutir a questão do Centro Universitário de São José (USJ). A USJ é uma universidade municipal, criada às vésperas das eleições de 2006. Quatro anos depois, as primeiras turmas de pedagogia, adminsitração e ciências contábeis já se formaram, mas a USJ ainda não disponibiliza de uma sede.
A maior reivindicação dos estudantes e professores é exatamente essa. Um prédio na Beira-Mar continental seria destinado para as salas de aula, mas agora o prefeito Djalma Berger (PSB) fala em "sede administrativa", ou seja, sem salas de aula.
Além disso, a USJ não possui servidores efetivos, plano de carreira para os funcionários e nenhuma estrutura física. Secretários de primeiro escalão já falam em "inviabilidade econômica" e "privatização" da USJ.
Um dos méritos da universidade é garantir mais de 70% de suas vagas para estudantes do ensino público de São José. Essa experiência não pode ser jogada fora, tampouco entregue de mão beijada para a iniciativa privada.

Quarta-feira

Pude dar uma passada rápida na Assembleia Legislativa, onde o movimento por uma Defensoria Pública em SC entregava um projeto de Lei de Iniciativa Popular pela instalação da Defensoria. SC é o único estado do Brasil que ainda não regulamentou a defensoria, o que é uma vergonha e uma afronta aos direitos constitucionais dos que não podem pagar um advogado.
Infelizmente, não pude acompanhar a atividade até o final. Estava correndo atrás da burocracia do TRE para registrar a papelada necessária para oficializar as candidaturas.

Quinta-feira
Dei uma passada na paralisação dos servidores municipais de Florianópolis, mas o ato já estava acabando. Aproveitei e peguei uma discussão sobre as eleições diretas para diretores de escolas - algo que deveria ser regra, mas infelizmente não é. Coordenada pela presidente do Sintrasem, a companheira Lea Medeiros, a discussão traçou estratégias para as eleições de diretores em Florianópolis. O PSOL com certeza vai pautar as eleições para diretores no Estado de Santa Catarina, um dos poucos que também não colocou a medida em prática.

As tarefas são muitas e as responsabilidades também. Mas estamos aí, para o que der e vier.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil