TMKT se recusa a pagar mínimo regional e trabalhadores podem entrar em greve

Os trabalhadores e trabalhadoras da empresa TMKT, em Joinville, podem entrar em greve na semana que vem. Em assembleia realizada na quarta-feira (28), os trabalhadores rejeitaram a proposta de reajuste salarial oferecida pelos patrões, pois ela não respeita a lei do salário mínimo regional.

Hoje, um atendente de telemarketing da TMKT ganha somente R$ 473 em uma jornada de seis horas, quando o piso mínimo, estabelecido em lei, é de R$ 616. A empresa propôs reajustar o valor para R$ 538, ou seja, 15% a menos do que a lei exige. A mobilização conta com o apoio do Sindicato dos Trabalhadores em Empresas de Telecomunicações em Santa Catarina (Sinttel-SC).

Além de rejeitar a proposta patronal, os trabalhadores aprovaram que, caso não haja acordo, os trabalhadores irão paralisar os serviços. "A direção do Sinttel-SC e a Categoria lamentam que a TMKT se recuse a cumprir a legislação para pagar o Piso Mínimo Regional, como já vem fazendo as demais empresas do Setor de Teleatendimento no Estado", afirmou o sindicato, em seu blog. Uma nova assembleia está marcada para a semana que vem para discutir a continuidade do movimento.

O Sinttel-SC participou de uma reunião, na última sexta-feira (9), com os representantes da TMKT de Joinville, quando se deu início à negociação do novo Acordo Coletivo de Trabalho – ACT dos trabalhadores.
Durante a conversa, infelizmente, vimos que a Empresa não está convencida em garantir o Piso Regional Mínimo da Categoria, de R$ 616,00, como determina a Lei vigente. Evidentemente, o Sindicato não concorda com esta proposta aquém do que se espera e espera que os negociadores avancem nos números.
O Sinttel-SC está aguardando a proposta final que a TMKT ficou de mandar por escrito. Tão logo isso aconteça estaremos convocando as assembléias com a Categoria para as devidas avaliações e deliberações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil