Leonel Camasão faz panfletagem após debate entre candidatos no Sindsaúde

O candidato a deputado federal do PSOL, Leonel Camasão, realizou panfletagem nesta quinta-feira junto aos servidores estaduais da saúde e aos servidores federais da previdência social. Cerca de 150 trabalhadores das duas áreas compareceram ao debate promovido pelo Sindicato dos Servidores da Saúde (Sindsaúde) com os candidatos ao governo do Estado.

Além de sua própria candidatura, Camasão divulgou também a candidatura de Tânia Ramos para deputada estadual, e dos candidatos majoritários: Valmir Martins para governador, Paulo Afonso para senador e Plínio para presidente.

Valmir destacou a necessidade de mobilização dos servidores para que consigam vitórias concretas. Além disso, ressaltou a importância da regulamentação da emenda 29, que obrigaria o governo federal a dobrar o investimento nacional em saúde; do fim das terceirizações e privatizações no setor, assim como de um plano de carreira para os trabalhadores do SUS. Ao final do debate, os assessores receberam uma cópia das propostas do Sindsaúde para o setor.

O candidato do PSOL também lembrou que o governo federal gastou 36% das riquezas nacionais em pagamento de juros e amortizações da dívida pública, enquanto a saúde recebeu menos de 5% dos investimentos. “Saneamento básico, que é responsável por muito da fila do SUS, recebeu apenas 0,08%. Isso é uma piada”, argumentou.

Mais uma vez, Colombo foge do debate

O candidato governista, Raimundo Colombo, mais uma vez não compareceu ao debate. Os servidores da saúde estavam ávidos para questionar o governista sobre as medidas tomadas pelo governo da tríplice aliança, do qual faz parte o ex-governador Luiz Henrique (PMDB) e o atual governador, Leonel Pavan (PSDB). Também estiveram ausentes Rogério Novaes (PV), Amadeu Hercílio da Luz (PCB) e Carmelito Smiguel (PMN).

Comentários

danuxa disse…
Foi vc msm quem escreveu esse texto?

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil