O clube da resistência

KÊNIA COMPLETA 50 ANOS COM TRÊS DIAS DE FESTA REPLETOS DE SAMBA E ORGULHO

Imerso em uma sociedade preconceituosa quanto as diferenças raciais, nascia um clube como forma de defesa contra a exclusão. Hoje, a tonalidade de pele já não é a principal motivação para a existência do clube joinvilense. O que embala os últimos anos, dos 50 vividos pela Sociedade Kênia Clube, além da paixão pelo samba, também corre pela veia. O objetivo agora é preservar e valorizar a cultura afro dentro da própria etnia. Conta Ideraldo Luiz Marcos, o Neco, presidente da diretoria do clube por dois mandatos seguidos e atual conselheiro fiscal, que até a década de 1960 Joinville mantinha o hábito de consagrar os descendentes de imigrantes e ignorar a existência afrodescendente, o que acontecia também, infelizmente, em outras cidades do Sul do País.

Em Joinville, a população negra era quase insignificante, se comparado ao grande número de louros de olhos azuis que por aqui fixaram residência. O resultado foi a criação de sociedades próprias para as descendências. Os clubes de bailes e atividades desportivas eram uma tendência, até porque não havia muitos atrativos até meados do século 20. “O negro não tinha lugar de diversão. Podiam até ir nas domingueiras das sociedades, mas não podiam dançar, só ficar sentado”, relata Ideraldo.

Um dia antes das comemorações da independência do Brasil do ano de 1960, este gueto resolveu fundar um espaço próprio para lazer, onde tocasse o ritmo musical preferido e onde eles pudessem, enfim, dançar sem a preocupação de serem barrados. Hélio Cardoso Veríssimo, José Francisco Ramos, Rubens Martins, Marcelino Rocha, Luis Paulo do Rosário, José Domingos Cardoso e Oziel Silva, levaram a ideia adiante e a batizaram com o nome do país que idealizavam para eles.

Paralelo ao clube, surgia também time de futebol, o Senegal. “Essas pessoas queriam garantir qualidade de vida aos negros, inserindo-os em um contexto social”, explica o conselheiro que passou grande parte da juventude ali.

rafaela.mazzaro@an.com.br

RAFAELA MAZZARO | JOINVILLE

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil