Professores de Schroeder paralisam hoje

Categoria quer plano de cargos e salários. Prefeitura diz que vai descontar o dia

Uma paralisação dos professores municipais de Schroeder está prevista para hoje. Segundo o presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Jaraguá do Sul e Região (Sinsep), Luiz Ortiz, a categoria reivindica a criação de um plano de cargos e salários. O prefeito Felipe Voigt diz que estuda a implantação para o ano que vem.

Segundo o sindicalista, a paralisação foi aprovada com unanimidade em assembleia no dia 27 de agosto, com a participação de cerca de cem profissionais. A cidade tem 180 professores.

Ortiz revela que o salário de R$ 1.175,46, para professores com licenciatura plena (curso superior e 40 horas semanais) é o mais baixo da região. Os profissionais em Jaraguá do Sul recebem R$ 2.092,15, exemplifica. “A maioria dos professores aqui tem pós-graduação”, argumenta Ortiz. Ele defende que os salários da categoria sejam definidos por títulos.

O prefeito Felipe Voigt diz que a categoria tem o direito de se manifestar, mas que vai descontar o dia da mobilização e que as aulas perdidas terão de ser recuperadas. “Nos seis anos de meu mandato já repassei 61% de aumento para os professores. A folha (de pagamento) vem defasada não é de agora. Em oito anos, antes do meu mandato, foram dados apenas 15% de aumento”, afirma.

Um plano de cargos e salários está em estudo este ano pela Prefeitura, para que seja implantado em 2011. “A ideia é adequar os salários de acordo com a capacitação profissional e o desempenho dos funcionários”, explica o prefeito. Ele aguarda a paralisação de hoje para decidir o que será feito. “O que não posso é comprometer os recursos do município, agora, no fim do ano, com uma série de obras em andamento, para acatar o que foi decidido de repente em assembleia”, ressalta.

Fonte: A Notícia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil