Deputado é sepultado na Capital

Governo decretou luto oficial de três dias pela morte de Lício Mauro da Silveira, reeleito no dia 3

O corpo do deputado estadual do PP Lício Mauro da Silveira foi sepultado às 17h de sábado no Cemitério Jardim da Paz, em Florianópolis. Lício Mauro tinha 67 anos e morreu na noite da última sexta-feira, em Curitiba, depois de sofrer um infarto fulminante.

O velório do deputado foi realizado no plenário da Assembleia Legislativa de Santa Catarina, na Capital. Centenas de pessoas, entre elas autoridades políticas, passaram pelo local para prestar suas últimas homenagens. Lício Mauro deixou mulher, um casal de filhos, um neto e uma neta.

O governador Leonel Pavan (PSDB) decretou, no sábado, luto oficial por três dias. O presidente da Escola do Legislativo, Joares Ponticelli (PP), com o consentimento do presidente da Assembleia, Gelson Merísio (DEM), vai propor um projeto de resolução denominando a Escola do Legislativo como Escola Deputado Lício Mauro da Silveira.

Nas eleições do dia 3 de outubro, Lício se reelegeu com 25.814 votos para seu quinto mandato na AL. Com seu falecimento, o primeiro suplente da coligação que reuniu PP e PT do B, deputado estadual Reno Caramori (PP), assume a cadeira.

Nascido em Joinville, Lício fez carreira política na região da Grande Florianópolis. Foi diretor da Celesc entre 1982 e 1986, no governo de Esperidião Amin, e presidente da Casan entre 1991 e 1994, durante a gestão de Vilson Kleinübing.

O pepista foi candidato a deputado federal em 1986 pelo PDS e ficou com a primeira suplência. Em 1994, conquistou pela primeira vez uma cadeira na Assembleia. Foi reeleito em 1998 e 2002 e em 2006 ficou como primeiro suplente do PP, assumindo em 2009, no lugar de Jandir Bellini (PP), eleito prefeito de Itajaí.

Lício era formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e atuou como professor na antiga Escola Técnica Federal (ETFSC).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil