Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Ex-petista vai disputar presidência da Casa com Marco Maia (PT-RS), favorito, Sandro Mabel (PR-GO) e Jair Bolsonaro (PP-RJ)

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) oficializou a sua candidatura à presidência da Câmara, ampliando para quatro o número de postulantes ao cargo: os deputados Marco Maia (PT-RS), favorito na disputa, Sandro Mabel (PR-GO) e Jair Bolsonaro (PP-RJ).

"Reconheço a correlação de forças na Casa, mas entendo que a totalidade dos novos deputados pode não estar contemplada nas três candidaturas já lançadas”, justificou Alencar, que, aos 61 anos, deu início hoje ao seu terceiro mandato como deputado.

Professor e escritor carioca, Alencar militou no PT durante quase 18 anos, quando, em 2005, deixou o partido após o escândalo do mensalão. No mesmo ano, ele ajudou a fundar o PSOL.

Líder do partido, o deputado Ivan Valente (PSOL-SP) afirmou que uma das propostas de Alencar à frente da Câmara será o fim do voto secreto.

"Defendemos a independência e a soberania do Legislativo em relação ao Executivo", disse Valente.


LEIA O PROGRAMA DO PSOL PARA O LEGISLATIVO

POR UM LEGISLATIVO INDEPENDENTE, PROTAGONISTA, AUSTERO E TRANSPARENTE

Propostas para a eleição da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados

Nas tratativas para a eleição da Mesa Diretora da Câmara dos Deputados tem faltado o principal: a discussão de propostas para a nova gestão do Legislativo Federal. Isso só aprofunda a crise de legitimidade, que afasta o Parlamento e os partidos da sociedade.

Para estimular um debate programático, o PSOL apresenta alguns pontos que considera relevantes para a futura gestão da Câmara dos Deputados (2011/2012):

1. Recuperação do protagonismo do Legislativo, com agenda que contemple mais Projetos de Lei e Propostas de Emendas Constitucionais de interesse popular elaborados pelos/as parlamentares, e adoção do Orçamento Impositivo.

2. Estabelecimento, para o 1º semestre de 2011 , de uma alentada pauta para votação de projetos emergenciais, notadamente a Reforma Política; votação final de Propostas de Emendas Constitucionais como a que extingue o voto secreto no Parlamento, a que estabelece punições mais rigorosas para os que exploram o trabalho escravo,  a que extingue o nepotismo na Administração Pública e a que reduz a jornada máxima de trabalho para quarenta horas semanais; apreciação de Projetos de Lei já votados no Senado,  a derrubada do veto do projeto  de extinção do fator previdenciário, com o reajuste das aposentadorias e reposição de perdas salariais e a aprovação de diretrizes para a valorização do salário mínimo; cumprimento de imperativos constitucionais, como a auditoria da dívida (art. 26 das Disposições Transitórias); e a elaboração do Plano Nacional de Educação com previsões de recursos suficientes para cumprir as metas estabelecidas.

3. Relação altiva com o Executivo, exigindo respeito aos critérios de real urgência e relevância na edição de Medidas Provisórias.

4. Garantia do direito das minorias, sem tratamento diferenciado entre parlamentares e bancadas, e com criteriosa e proporcional distribuição de cargos de confiança de natureza especial às Lideranças Partidárias, coibindo os abusos - como o de partidos usufruindo mais cargos que o estipulado.

5. Rigoroso respeito às definições regimentais na tramitação legislativa, sem atropelo de prazos e procedimentos.

6. Fixação de critério democrático e proporcional na escolha de relatores de matérias deliberadas em Plenário, notadamente para as Medidas Provisórias, assim evitando que elas sejam invariavelmente relatadas por parlamentares da base de sustentação do Governo.

7. Radicalização das iniciativas de transparência e controle externo do Legislativo, tais como:
• Fixação de critério definitivo para remuneração dos parlamentares e da alta hierarquia dos outros Poderes, sintonizado com a realidade salarial da maioria da população e precedido de amplo debate, inclusive com audiências públicas.
• Publicação periódica de todos os gastos, em todos os setores, na Página da Câmara, inclusive das prestações de contas da verba indenizatória, com as respectivas documentações e notas comprobatórias.
• Sinal de canal aberto para a TV Câmara.
• Facilitação do acesso popular às sessões das comissões e plenárias.
• Redistribuição mais funcional dos espaços da Casa, coibindo sua “privatização” e apropriação indevida (como por direções de partidos) e redividindo os apartamentos funcionais, ampliando assim suas unidades e extinguindo, por consequência, o auxílio-moradia.
• Atualização do Regimento Interno da Casa estabelecendo a impropriedade da posse de suplentes por apenas um mês, no recesso parlamentar.

8. Rigoroso zelo pela moralidade parlamentar, com fortalecimento da Corregedoria, Ouvidoria e Conselho de Ética para apurar, com eficácia, todas as denúncias, julgando com celeridade os desvios de conduta comprovados.

9. Criteriosa escolha de empresas prestadoras dos serviços para os restaurantes e outras atividades da Câmara, através de licitação que permita a necessária melhora na qualidade dos serviços prestados, além de espaços mais adequados e respeito aos direitos trabalhistas dos funcionários terceirizados.

10. Integração da Comissão Permanente de Legislação Participativa ao processo de emendas ao orçamento da União.

Estes são os pontos que julgamos mais importantes para o debate no processo sucessório da Presidência e demais cargos da Mesa Diretora da Câmara. 

Comentários

AF Sturt Silva disse…
Falando em eleição de onde vieram os votos para Randolfe Rodrigues?
Leonel Camasão disse…
Difícil determinar, já que a votação é secreta. Pelo menos dois foram da bancada do PSOL. A bancada contatou Eduardo Suplicy (PT), Cristovam Buarque (PDT) entre outros, mas não é possível dizer com certeza.
Obrigado por ler o blog
abraços

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Uma homenagem ao Movimento Estudantil