Candidato a governador do PSOL tem contas aprovadas pelo TRE

O Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina aprovou, com ressalvas, as contas de campanha da chapa do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) ao governo estadual, composta por Valmir Martins e Alexandre Valdir da Silva. Com esse julgamento, o Pleno finalizou a análise da prestação dos oito candidatos que disputaram o cargo de governador nas Eleições 2010.

A relatora substituta do processo do PSOL, juíza Vânia Petermann Ramos de Mello, considerou que as irregularidades encontradas na prestação de contas eram de caráter puramente formal. A íntegra da decisão do Tribunal pode ser vista no Acórdão nº 26.100.

PSOL teve a campanha mais barata

Apesar de ter tido a campanha mais barata entre as oito candidaturas ao governo de Santa Catarina, o candidato do PSOL, Valmir Martins, ficou em quarto lugar na disputa do ano passado. A candidatura do PSOL ao governo gastou apenas R$ 1.846,00, tendo conquistado 7.416 votos.

O PSOL também atinge o menor índice na relação dinheiro/voto, ou seja, a divisão do total gasto pelo número de votos. Nessa relação, cada voto dado ao PSOL “custou” apenas 25 centavos de investimento na campanha eleitoral.
“Isso mostra que o nosso discurso tem capacidade de agregar socialmente, o que é muito significativo. Nosso votos vieram pela força das nossas ideias, e não pela força do dinheiro”, afirma o secretário geral do partido, Leonel Camasão.

Ainda nessa relação, quem mais gastou em relação ao voto obtido foi José Carmelito (PMN), com R$ 11,36 por voto. Após ele, vem Ideli Salvatti (PT), com R$ 4,74, Angela Amin (PP), com R$ 3,33, Gilmar Salgado (PSTU) com R$ 3, Raimundo Colombo (DEM) com R$ 1,78, e Amadeu Hercílio da Luz (PCB), com R$ 0,84. Rogério Novaes não teve sua votação divulgada pois, na época, teve a candidatura indeferida por conta da lei da ficha limpa.

Com informações do TRE.
Fonte: PSOL-SC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma homenagem ao Movimento Estudantil

Sandro Silva renuncia mandato de vereador e Carlito poderá ter maioria na Câmara

Norival Silva pega 12 anos por corrupção passiva