Confirmado: trabalhador da Sadia supostamente homossexual foi empalado por "colegas" com mangueira de ar comprimido

Por Leonel Camasão, de Florianópolis

Após diversas dúvidas sobre a veracidade da informação, o Blog do Camasão confirmou a história: um trabalhador da Sadia, que não teve o nome divulgado, foi cruelmente empalado por “colegas” de trabalho com uma mangueira de ar comprimido, em Chapecó.  A agressão teria sido motivada por homofobia.

Na primeira versão da história, o site Gay 1 afirmava que a vítima tinha morrido após o empalamento. No entanto, tanto a empresa quanto o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria de Carnes (Sitracarnes) confirmam que a vítima está viva e passa bem.

Segundo o presidente do Sitracarnes, Jenir de Paula, quatro trabalhadores e uma trabalhadora participaram do crime. Os quatro homens imobilizaram a vítima, enquanto a mulher introduziu a mangueira de ar comprimido no ânus do trabalhador, ligando-a posteriormente. O crime ocorreu na madrugada do dia 9 de junho.

A assessoria de imprensa da Sadia, por meio de nota enviada ao Blog do Camasão, classificou o ocorrido como "brincadeira entre colegas no interior da unidade", onde um dos envolvidos, "acabou se acidentando com um equipamento e sentiu desconforto no abdômen".

Segundo a nota, a vítima foi encaminhada a um hospital da cidade, e depois liberado. A empresa informa ainda que "adotou medidas administrativas para averiguação dos fatos e assegura que não se trata absolutamente de um caso de homofobia". A nota ainda diz:
Por entender que brincadeiras em determinadas áreas da unidade e em horário de expediente configuram ato de indisciplina, a empresa tomará as medidas cabíveis em relação aos envolvidos no ocorrido, com base no Código de Ética e de Disciplina Interna e na legislação vigente.

A empresa reitera que as políticas e os procedimentos relacionados a direitos humanos estão contemplados em seu Código de Ética, que é compartilhado a todos os funcionários que ingressam na companhia.
São valores da empresa: o Compromisso com a diversidade e aceitação das diferenças e a Integridade como base de qualquer relação. 

“Foi um ato de barbaridade”

O presidente do Sintracarnes, Jenir de Paula, classificou o caso como “ato de barbaridade” contra o trabalhador. Ele esteve com a vítima no hospital,  e confirmou o empalamento. Ele afirma que o sindicato vai pedir um Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT), para garantir os direitos da vítima. “Não teve nada de brincadeira nesse caso. Foi um ato de barbaridade”, afirmou. Entretanto, Jenir afirmou que o sindicato desconhece se a vítima era ou não homossexual.

Jenir também confirma que os cinco envolvidos foram demitidos por justa causa. O sindicalista também afirma que a empresa não dá treinamento nem mantém sinalização de perigo ao redor do equipamento, para avisar que ele é perigoso.

O que é um empalamento?

Empalamento ou empalação é uma método de tortura e execução que ficou famoso no século 15. O método consiste na inserção de uma estaca no ânus, vagina, ou umbigo até a morte do torturado.

Esse tipo de tortura, altamente cruel, foi vastamente utilizada por diversas civilizações no mundo inteiro, sobretudo da Arábia e Europa. O método foi muito utilizado pelo conde romeno Vlad da Valáquia, que ganhou fama por empalar seus inimigos, e ficou conhecido pelo titulo o Empalador (Vlad III, o Empalador) ou, em romeno, Vlad Ţepeş. Vlad, que também parecia apreciar as empalações em seus horários de refeições, inspirou Bram Stocker para seu notório livro Drácula.

Comentários

Sr. Polli disse…
Não bastasse a bárbarie do ato, ainda se utilizaram de um equipamento de uma indústria do gênero alimentício introduzindo no ânus de uma pessoa e quiça expondo os consumidores ao risco de contaminação.
Débora Kellner disse…
Que absurdo!! Demissão é pouco pra essas pessoas!
cvalentim disse…
Mesmo se este não for um crime de homofobia, os 5 envolvidos deveriam responder criminalmente e ir para a CADEIA. Demissão por justa causa não é punição suficiente.
E se por um acaso for homofobia, tem que esfregar esse caso na cara da bancada "da família cristã" e mostrar que precisamos de uma vez por toda criminalizar todo o tipo de violência homofóbica. Somente após a aprovação da lei do racismo que a sociedade preconceituosa começou a mudar e a respeitar os negros. Infelizmente só com uma punição firme e na Lei conseguiremos diminuir a homofobia, além de garantir o direito de defesa a idosos e portadores de necessidades especiais. Infelizmente não podemos erradicar nenhum tipo de preconceito, porém com certeza conseguiremos diminuir e muito os casos de discriminação.
thatMat disse…
concordo totalmente com o @cvalentim. falou tudo, cara. parabéns pelo pensamento.
esse caso tem de ser levado para a comissão de direitos humanos da câmara para ser investigado. o mínimo qeu se pode dizer é que foi um caso de homofobia. Além disso a empresa tem de ser processada pelo ministério público pelo risco de contaminação por ser uma empresa alimentícia.... cara o absurdo dos absurdos em pleno século XXI! Até quando viveremos dessa maneira?

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil