Notícia sobre homossexual assassinado dentro da fábrica da Sadia em Chapecó é falsa

NOTA IMPORTANTE 15/06/2010
Esta notícia foi desconfirmada após nova apuração dos fatos pelo Blog do Camasão. Ler notícia correta aqui

O portal Gay1 publicou na manhã desta quinta-feira uma notícia de um suposto assassinato ocorrido na fábrica da Sadia, em Chapecó. Segundo a página, um trabalhador da empresa teria sido morto brutalmente após três homens e uma mulher imobilizarem a vítima e introduzido uma mangueira de ar comprimido em seu ânus, ligando-a posteriormente. 

Como fonte, o portal indicou o Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual Fogueira, da Universidade Comunitária de Chapecó (Unochapecó). Acabo de falar com uma das integrantes do grupo por telefone, e ela não confirma a história. 

Segundo a integrante, identificada apenas como Susana, o Grupo Fogueira passou o dia tentando confirmar a história junto ao Corpo de Bombeiros, Instituto Médico Legal e outras autoridades. A conclusão é de que a história não passava e boato. 

"Recebemos a denúcia por telefone, mais ao que parece, foi uma estória contada para os funcionários durante a troca de turnos", disse. Ela ainda relatou que a história vazou antes da confirmação. 

Para Susana, os funcionários tentaram realizar uma "suposta brincadeira". E pelo visto, de bastante mal gosto. 

O Portal Gay 1 estava fazendo seu trabalho - divulgando os crimes de homofobia - e errou ao dar a notícia. Posso dizer, por experiência própria, que acontece. 

Homofobia é caso sério. Segundo estatísticas, um LGBT é assassinado a cada 36 horas no Brasil. Por isso, é importante a aprovação do PLC 122/2006, que transforma os crimes motivados pela homofobia comparáveis ao crime de racismo. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil