Nova versão sobre caso de homofobia em Chapecó

O site www.xapeco.com.br publicou matéria reafirmando o suposto caso de violência contra um trabalhador homossexual da Sadia, em Chapecó, no oeste catarinense. 

No dia 9 de junho, o portal Gay 1 publicou matéria afirmando que um trabalhador homossexual havia sido assassinado dentro da fábrica. Nesta versão, a vítima teria sido imobilizada por quatro pessoas e empalada com uma mangueira de ar comprimido. 

Segundo o Gay 1, a fonte da matéria era o Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual Fogueira, da Universidade Comunitária de Chapecó (Unochapecó). Eu mesmo liguei para o núcleo e perguntei sobre a veracidade do caso, e recebi uma negativa de uma atendente chamada Susana. 

Já a versão do site xapeco.com.br afirma que a agressão realmente ocorreu, mas sem levar a vítima à morte. O portal publica ainda uma suposta nota da Sadia sobre o caso, onde a empresa afirma que a vítima não era homossexual e não foi ferido gravemente.

Segundo o site, o funcionário, que não foi identificado, foi levado à emergência do hospital Regional do Oeste Catarinense pela própria empresa, onde foi estabilizado e depois transferido para o Hospital Unimed, do qual é conveniado. 

Ainda de acordo com a matéria, a empresa fará uma sindicância para apurar o ocorrido mas nega, veementemente que se trate de um caso de  homofobia.

Veja a suposta nota da Sadia

A Sadia esclarece que não procedem as informações publicadas em alguns blogs, atribuídas ao Grupo de Estudos e Pesquisas de Gênero Fogueira e envolvendo funcionários da unidade da empresa em Chapecó (SC). Na realidade, durante brincadeira entre colegas no interior da unidade, um dos envolvidos acabou se acidentando com um equipamento e sentiu desconforto no abdômen. Imediatamente, foi encaminhado a um hospital da cidade, onde recebeu atendimento médico, sendo liberado posteriormente. O funcionário já está em casa ao lado de sua família.

A empresa informa ainda que adotou medidas administrativas para averiguação dos fatos e assegura que não se trata absolutamente de um caso de homofobia.

No entanto, por entender que brincadeiras em determinadas áreas da unidade e em horário de expediente configuram ato de indisciplina, a empresa tomará as medidas cabíveis em relação aos envolvidos no ocorrido, com base no Código de Ética e de Disciplina Interna e na legislação vigente.

A empresa reitera que as políticas e os procedimentos relacionados a direitos humanos estão contemplados em seu Código de Ética, que é compartilhado a todos os funcionários que ingressam na companhia.
São valores da empresa: o Compromisso com a diversidade e aceitação das diferenças e a Integridade como base de qualquer relação.

Atenciosamente,
Sadia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil