Vereador Adilson Mariano, de Joinville, vai entrar com recurso para ficar no PT

A decisão de desfiliar o parlamentar foi tomada na última sexta-feira pelo diretório joinvilense

João Kamradt | joao.kamradt@an.com.br

Com um pé fora do PT, Adilson Mariano irá entregar um recurso administrativo nesta segunda-feira no diretório municipal para tentar reverter a decisão que pretende lhe desfiliar da legenda. 

O vereador, que teve na última sexta-feira um pedido de desfiliação aprovado pelo comando local da sigla, argumenta que não pode ser expulso sem que as provas alegadas na ação sejam apresentadas e analisadas por todos.

— Não conhecemos as provas do processo. Alguns tiveram acesso, outros não — comenta Chico Lessa, advogado de Mariano, também ligado a Esquerda Marxista, ala petista que tem no vereador o principal nome. Caso o recurso seja negado, Lessa fala que irá para a Justiça. 

— Não pouparemos meios para reverter a decisão — diz. Enquanto o grupo ligado ao parlamentar tenta reverter a decisão municipal, o requerimento com aprovação do pedido de expulsão chega hoje à Florianópolis. 

Durante a reunião da Executivo do comando estadual, deve ser pedido a abertura da análise do processo pela Comissão de Ética do partido. Segundo a ação, Mariano foi classificado em sete formas diferentes de infidelidade partidária, segundo o Código de Ética do PT. Mas o vereador, filiado a sigla desde 1989, se defende das acusações.

— A minha postura é de petista que defende o partido. O Carlito agiu contra os interesses da legenda e apenas fizemos críticas a sua gestão. Nunca houve ataques pessoais — fala. Enquanto a Comissão de Ética ainda não tem data certa para concluir a análise do processo de expulsão de Mariano, o recurso administrativo no diretório municipal deve ser analisado na próxima quinta-feira, na sede do partido, segundo o presidente do PT em Joinville, Írio Côrrea. 

Em outro caso de expulsão, nos bastidores, a ala Construindo um Novo Brasil (CNB), que tem no prefeito Carlito Mers seu principal nome, discute quando será a melhor data para ingressar contra uma representação de expulsão a Ulrich Beathalter, presidente do Sindicato de Servidores de Joinville (Sinsej). 

São duas hipóteses trabalhadas. A primeira é de aguardar o resultado da análise estadual do pedido de expulsão de Adilson Mariano. A segunda é de que um requerimento para a desfiliação de Ulrich seja entregue nas próximas duas semanas. Como não tem mandato eletivo, o diretório municipal pode expulsar Ulrich.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma homenagem ao Movimento Estudantil

Sandro Silva renuncia mandato de vereador e Carlito poderá ter maioria na Câmara

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil