Perfil no Twitter pede a morte de Jean Wyllys


A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Travestis (ABGLT) encaminhou denuncia sobre um perfil no Twitter que pede a morte do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ). O perfil em questão recebe o nome de @MatemJeanWyllys e os comentários da página vão desde homofobia deslavada a machismo e racismo.

Em um dos tweets é comparado o “homossexualismo” (sic) com a pedofilia. “Homossexualismo é uma doença mental, assim como o incesto, ou a pedofilia. Se o homossexualismo é normal, pedofilia também é”, diz o tópico.

Em outro momento, o perfil faz ameaças aos homossexuais de São Paulo e afirma que a cidade é “perigosa” para eles. Em seguida, afirma que para eliminar a Aids será preciso eliminar os homossexuais da face terra, “já que a Aids é uma doença homossexual”.

Polícia Federal responde a ofício da ABGLT sobre blog homofóbico

O Grupo de Combate aos Crimes de Ódio e Pornografia Infantil (GECOP) respondeu ao ofício da ABGLT que pedia ações contra o blog de Silvio Koerich, que prega o estupro corretivo “para salvar mulheres lésbicas” e o “sepultamento de gays vivos”.

A GECOP explicou que mesmo discordando do conteúdo do blog em questão não pode avançar na investigação por conta da hospedagem  estar em domínio estrangeiro. Esse tipo de conteúdo, segundo a GECOP, não é considerado crime nos Estados Unidos. Por conta disso, a Polícia Federal do Brasil não poderia pedir os dados cadastrais para rastrear o dono do espaço.

Segundo parlamentar ameaçado de morte

Jean Wyllys é o segundo parlamentar do PSOL jurado de morte. Marcelo Freixo, deputado estadual no Rio de Janeiro, hoje anda com uma segurança armada. Ele enfrentou as milícias no Rio de Janeiro, através de uma CPI que cassou mandatos de corruptos e prendeu várias pessoas, em parceria com a juiza Patricia Aciolli, recentemente assassinada. 

Com informações do site A Capa

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma homenagem ao Movimento Estudantil

Sandro Silva renuncia mandato de vereador e Carlito poderá ter maioria na Câmara

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil