Justiça Eleitoral determina publicação de direito de resposta no Jornal da Cidade

[caption id="attachment_704" align="alignleft" width="200"] Leonel e Gabriel protocolam direito de resposta na Justiça[/caption]

A Justiça Eleitoral de Joinville determinou a publicação do direito de resposta do PSOL no Jornal da Cidade, após as ofensas proferidas pelo semanário ao candidato  Leonel Camasão. Para o juiz Yon Thostes, "o que se realizou foi uma série de ofensas pessoais que em nada estão amparadas pelo livre exercício de expressão uma vez que são manifestamente abusivas e despropositadas".

Desde que o PSOL exibiu um beijo entre duas pessoas do mesmo sexo no horário eleitoral, o periódico tem dedicado boa parte de seus espaços para atacar o PSOL e a comunidade LGBT, fato pelo qual, se tornaram reús em Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público de Santa Catarina (MP-SC).

A resposta do PSOL, com cerca de 1.300 caracteres, deverá ser publicada na próxima edição impressa e digital do Jornal da Cidade. Seis horas após a publicação, o veículo deverá comprovar que o enviou as cópias do veículo a todos os pontos regulares de venda e distribuição, sob pena de R$ 50 mil por dia em caso de descumprimento.

"Nenhum direito é absoluto. A decisão da Justiça é importante pois ajuda a reestabelecer a verdade dos fatos e a combater este tipo de prática pseudo-jornalística em nossa cidade", afirma Leonel.

Juiz lamenta comentários sobre população LGBT

Além das ofensas contra o candidato do PSOL, o juiz Yon Thostes lamentou diversos comentários publicados pelos colunistas João Francisco e Beto Gebaili em relação à população LGBT. Apesar disso, o juiz não concedeu o espaço utilizado para ofender a população LGBT para que o PSOL se valesse do direito de resposta.

Apesar de reconhecer que o texto de João Francisco que compara um beijo gay a uma pessoa defecando em público ser "bastante inapropriado e infeliz", Thostes entendeu que a opinião do colunista estava amparada pela liberdade de expressão.

"O reconhecimento do direito fundamental da liberdade de expressão pode ser diminuído ou abolido diante de uma convicção pessoal de alguém (mesmo que estúpida) sobre questões ligadas à moral (homossexualidade, pornografia, etc.)? (...) Ao meu ver, o texto do representado JOÃO FRANCISCO SILVA é desagradável, apresentado de forma arrogante e agressiva, porém, que não excedeu o sagrado direito de livre expressão", acredita o magistrado.

Para juiz, texto de Gebaili é "ignóbil" e "socialmente irrelevante"

Yon Thsotes teve o mesmo entendimento em relação a coluna de Beto Gebaili. Na decisão, escreveu. "O [texto] do jornalista (sic) Beto Gebaili também não é agradável, está mais para ignóbil do que para uma leitura socialmente relevante, mas também expressa apenas uma opinião pessoal", afirmou.

Segundo o dicionário Michaelis Online, "ignóbil" significa 1 Baixo, vil, desprezível. 2 Que não tem honra; vergonhoso, torpe. 3 Que possui pouco ou nenhum valor.

Leia na íntegra o direito de resposta que será publicado no Jornal da Cidade

O colunista João Francisco coloca em dúvida a vida pregressa do candidato Leonel Camasão, fazendo calúnias sobre a sua vida profissional como jornalista em Joinville. Chega a questionar se o candidato é mesmo jornalista e ainda insinua que Leonel não pode olhar os seus colegas de profissão nos olhos como iguais.
Leonel Camasão é jornalista profissional, tendo cursado sua faculdade no Bom Jesus/Ielusc, em 2008. Na época de sua graduação, a faculdade de Jornalismo do Ielusc foi considerada a 2ª melhor do Sul do Brasil. Em sua vida profissional, foi repórter do jornal A Notícia, por quase dois anos, tendo, posteriormente, trabalhado como free lancer nos jornais Notícias do Dia e O Correio do Povo (Jaraguá do Sul).
Ao contrário da acusação de ser "jornalista fracassado" , Leonel Camasão comanda sua própria agência de notícias, prestando serviços de comunicação para entidades sindicais de todo o Estado de Santa Catarina.
Além disso, Leonel Camasão foi eleito Secretário Geral do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Santa Catarina em setembro de 2011, com quase 63% dos votos da categoria profissional dos jornalistas. O fato é, que não apenas Leonel Camasão pode olhar nos olhos seus colegas de profissão, como de fato, os representa juridicamente por meio do Sindicato Profissional."

Comentários

é isso ai ....para os preconceituosos como eles mesmo disem os gays nao tem moral nem dignidade e kem nao é e repeita nos como gente ai eles ficam loko ..kando um HOMEM assim heterrossexual tem familia é de bem como vc é leonel ai els nao aceita apoia uma causa onde eles sao contra ..eu nao sei o porke tanto ódio contra gays o ke os atomenta gays felizes ...kando os gays tao la na prostituiçao ,, nas drogas ..em clinicas de depressao no suicidiu ai eels nao se preocupam agora kando tao feliz kerendo casamnto adoçao ai eels nao aceitam dexa nos gay ser feliz por favoooooooooooooooorrrrrr

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil