Leonel apresenta propostas aos estudantes da Católica

Cerca de 120 estudantes da Católica de Joinville puderam ouvir as propostas do PSOL para a cidade na noite de ontem, na Mitra Diocesana. Saúde, educação, saneamento e planejamento urbano eram os quatro temas principais do evento Marco Zero, promovido pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE).

Em 20 minutos, Leonel pode discorrer sobre estes quatro temas principais. Defendeu que o planejamento urbano da cidade deve priorizar dois eixos: o uso e a ocupação do solo e a política de mobilidade. Defendeu o IPTU progressivo como maneira de diminuir a influência da especulação imobiliária e a realização do Congresso da Cidade para que a população planeje junto o destino de Joinville. Na área de mobilidade, Leonel citou as campanhas do PMDB em Florianópolis e do PT em São Paulo, que trazem propostas semelhantes a do PSOL em Joinville. "Quando falamos em bilhete único mensal ou em tarifa zero em Joinville, alguns tentam nos colocar a pecha de malucos. Mas os candidatos do PMDB em Florianópolis e do PT em São Paulo propõe ações semelhantes e não são tratados desta maneira", afirmou.

No tema educação, Leonel defendeu a construção de novos CEIs e a gestão democrática nas escolas, com a eleição dos diretores pela comunidade. Além disso, criticou o processo de instalação da UFSC em Joinville. "No nosso governo, a Prefeitura de Joinville vai mobilizar toda a sociedade para buscarmos junto ao governo federal a federalização da Univille", afirmou.

Leonel ainda reafirmou que não há solução isolada para a Saúde da cidade. "Não adianta o governo municipal investir um terço dos seus recursos na saúde se o Hospital Regional, de responsabilidade do governador, está sem água quente no inverno, fecha metade das suas UTIs e decide fechar o Pronto Atendimento nos finais de semana", criticou. O socialista afirmou ainda que o governo federal precisa direcionar mais recursos para a saúde pública. "A presidente Dilma continua destinando 47% do nosso dinheiro para juros da dívida pública, enquanto investe apenas 4% na saúde".

Para o socialista, as obras de saneamento são importantes para a cidade, mas precisam ser levadas para as regiões onde moram mais pessoas. "O saneamento está sendo feito nos bairros mais ricos da cidade e onde moram menos pessoas. Precisamos levar o saneamento para a Zona Sul, priorizando as ruas onde ainda não tem o asfalto", argumenta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil