Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina lança nota de repúdio contra manifestações homofóbicas no Jornal da Cidade

O Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC) publicou uma nota de repúdio contra as manifestações homofóbicas publicadas no Jornal da Cidade pelo colunista e editor João Francisco da Silva, que citava preconceituosamente o beijo entre dois homens exibido na propaganda eleitoral do PSOL Joinville. (Entenda o caso - link).

Na nota, o SJSC classificou o episódio como “absurdo” e afirmou que “o diretor e colunista de um jornal de Joinville abusou de sua condição para estimular a homofobia e proferir ataques contra um candidato a prefeito que é jornalista e diretor do SJSC”.

As declarações publicadas no Jornal da Cidade ferem diretamente o Código de Ética dos Jornalistas, pelo menos em três artigos:

Artigo 6º, VIII: “é dever do jornalista respeitar o direito à intimidade, à privacidade, à honra e à imagem do cidadão”
Artigo 10: “a opinião manifestada em meios de informação deve ser exercida com responsabilidade”
Artigo 12, III: “o jornalista deve tratar com respeito todas as pessoas mencionadas nas informações que divulgar”

Como consequências de suas publicações, o Jornal da Cidade é réu em ação  do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC). O órgão ajuizou uma Ação Civil Pública contra o periódico e contra o comunicador João Francisco da Silva, na qual pede uma indenização de 300 salários mínimos por dano moral coletivo, que serão destinados a fundos de promoção da cidadania LGBT (Lésbicas, Gays, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

Já a Justiça Eleitoral de Joinville determinou a publicação do direito de resposta do PSOL no Jornal da Cidade, após as ofensas proferidas pelo semanário ao candidato Leonel Camasão. Para o juiz Yon Thostes, “o que se realizou foi uma série de ofensas pessoais que em nada estão amparadas pelo livre exercício de expressão uma vez que são manifestamente abusivas e despropositadas”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Chico Alencar lança candidatura e Câmara tem agora 4 postulantes

Pastor chama vereador de vagabundo e é declarado 'persona non grata'

Primeiras impressões sobre os protestos no Brasil